O que eu preciso saber sobre a linguagem PHP de programação?

Se você quer expandir suas habilidades e sua oferta de serviços no mercado como desenvolvedor, a linguagem PHP é fundamental — tanto para quem pretende trabalhar exclusivamente com web quanto para quem possivelmente vai ter que lidar com isso em projetos mais amplos.

Você já está familiarizado com a linguagem? Está querendo se especializar nela? Neste post, preparamos o guia básico para quem está iniciando por esse caminho. Confira!

Um breve histórico da linguagem PHP

O PHP é uma linguagem criada em 1995, uma sigla para Personal Home Page. Inicialmente ela era apenas um projeto pessoal de seu criador para o desenvolvimento de sua própria página pessoal.

A ideia era auxiliar a linguagem C, que é back-end e precisava exibir também HTML, como um gerenciador de templates. No entanto, sua flexibilidade e seu poder logo tornaram o PHP parte importante da rotina de desenvolvedores.

Em termos básicos, o PHP é uma linguagem de back-end (executada em um servidor remoto) e focada na orientação a objetos, capaz de gerar HTML, mas também criar serviços que são consumidos por outras aplicações via API Rest — um uso muito importante atualmente.

Ele foi evoluindo, ganhando corpo e passou a ser cada vez mais utilizado, o que fez com que se tornasse o que é hoje. Até seu nome mudou, passando a ser conhecido como Hypertext Preprocessor.

O PHP é open source, e isso faz com que a comunidade interaja no desenvolvimento da linguagem. Hoje em dia, é a própria comunidade que promove eventos relacionados a ela, como é o caso da PHPSP.

O grupo de desenvolvedores de São Paulo realiza encontros para compartilhar conhecimentos e discutir novas formas de abordagem do PHP dentro do âmbito profissional.

É com a disposição para a criação de eventos e fóruns como esse que o PHP evolui. Qualquer pessoa pode fazer commits diretamente no código abrindo um pull request para o core no repositório da linguagem.

Depois de um pull request aberto, a equipe responsável pela linguagem vai avaliar se aquele commit (alteração no código) será autorizado a compô-la. Assim, a dedicação de cada desenvolvedor em aprender e aplicar o PHP faz com que ele nunca deixe de evoluir.

Suas principais aplicações

O PHP permite que você faça desde pequenos sites ou blogs para a web até grandes aplicações de ERP (gerenciamento empresarial). Ele é bem flexível quanto a isso.

Um bom exemplo desse poder e da flexibilidade da linguagem PHP está em sites e portais gigantes que a utilizam. Wikipedia, Yahoo e WordPress usam exclusivamente PHP, sendo que a maioria das páginas hoje utilize a linguagem de alguma forma.

Além disso, por ser open source, o PHP gera muitos projetos com essa vertente. Você pode criar uma biblioteca para utilizar e aproveitar o seu código, por exemplo.

É possível encontrar com muita facilidade frameworks que podem ser reutilizados. Alguns exemplos mais populares são: Symfony, Laravel, Zend, Doctrine e Slim (micro framework). O próprio WordPress dá ao desenvolvedor PHP uma flexibilidade incrível para atender a clientes sem precisar reescrever códigos do zero.

Outro exemplo de aplicação focado no mercado brasileiro é o e-commerce. O setor está crescendo muito, por isso há bastante espaço para o profissional que aprende essa linguagem. Algumas plataformas muito utilizadas no segmento são Magento, Opencart e Prestashop.

As vantagens do PHP

Por que tantos projetos importantes utilizam o PHP? Por que você deveria aprender a programar com ele? Essas perguntas são facilmente respondidas ao listar as vantagens da linguagem PHP. Veja!

É fácil de aprender

Uma das grandes vantagens do PHP é sua acessibilidade para quem está começando. Além de ser uma linguagem orientada a objetos e com sintaxe mais intuitiva, o fato de ser open source ajuda muito.

Isso se materializa em uma grande comunidade em volta dela. A quantidade de documentação, tutoriais, exemplos, pacotes e outros tipos de auxílios é impressionante.

Qualquer dúvida que você tiver provavelmente já foi resolvida de forma simples por outro desenvolvedor. Se não, pode apostar que muitos colegas de profissão estarão prontos para ajudar você a encontrar uma resposta.

Tem atualizações frequentes

O PHP está em constante evolução e recebe atualizações frequentes — tanto de segurança, quanto de informática — para deixar a sintaxe mais confortável.

Aqui tem uma questão interessante para você ficar de olho: a versão PHP5 não é mais atualizada, já que foi lançado o PHP7 há pouco tempo, com a introdução de algumas mudanças muito interessantes na linguagem.

Mesmo dentro da versão 7, é preciso ter atenção às versões que ainda recebem suporte: apenas 7.1, 7.2 e 7.3. Não há mais atualizações para o PHP 7.0 e a versão 7.4 está programada para dezembro de 2019.

Isso mesmo, você não contou errado: não existe a versão 6! Eles pularam da 5 para a 7 porque entenderam que foram tantas mudanças importantes em um longo período sem atualizações que o salto iterativo foi de duas gerações. Ou seja, é a hora perfeita para se inserir nesse cenário.

Tem padrões bem consolidados de boas práticas

Por ter uma comunidade tão grande há tanto tempo, o PHP já se consolidou o suficiente para definir as melhores práticas para um bom desenvolvimento.

No passado, a falta de boas práticas era vista de uma forma negativa porque, como a linguagem é muito flexível, deixava espaço para as pessoas fazerem coisas erradas. O PHP ganhou uma visão de que era uma “linguagem de sobrinho”, ou seja, que qualquer um pode fazer qualquer coisa para funcionar.

No entanto, essa percepção equivocada já mudou bastante. Já foram criados protótipos consolidados no mercado, e hoje se faz um código com muito mais qualidade, em que é possível fazer a manutenção.

Não adianta nada criar um código no qual não é possível fazer esse follow-up — e hoje, o PHP dá essa base. Ele consegue ter um nível de padrão, pois mesmo que você mude de projeto, o cliente ou a estrutura, os processos, elementos e padrões serão parecidos. Com isso, você se acha em qualquer situação com muito mais facilidade.

É muito flexível

Temos que reforçar ainda mais esse caráter de padrões mutáveis do PHP. É possível seguir frameworks sem erro e ainda ter liberdade dentro dessa estrutura já estabelecida.

Algo que ajuda muito nesse sentido é o gerenciador de pacotes chamado Composer, que é muito competente e foi implementado na linguagem. Ele faz com que os módulos permaneçam compatíveis uns com os outros e tenham mais portabilidade — o que ajuda a vida de desenvolvedores que querem usar elementos do código em diferentes projetos.

Por onde começar a aprender PHP

Agora que você já conhece mais sobre o assunto, que tal começar a aprender ou aprimorar seus conhecimentos?

Algo que entra também como uma vantagem é que o PHP, por ser tão popular, tem uma gama enorme de cursos, especializações e certificados oferecidos pelo mercado.

Mais do que isso, a linguagem é tão fácil de aprender e tem tanto material disponível que um desenvolvedor pode até estudar por conta própria, seguindo blogs, fóruns especializados e exemplos de códigos compartilhados pela comunidade.

Para aprender a linguagem PHP só é preciso ter disciplina e motivação. Em retorno, você ganha mais valor para o mercado, mais flexibilidade para o seu trabalho e um crescimento natural da sua carreira.

Quer ficar sempre atualizado sobre as novidades do desenvolvimento? Assine a nossa newsletter!