Como e quanto cobrar por um site? Nós explicamos!

A atuação de desenvolvedores freelancers é uma atividade cada vez mais comum, permitindo uma rotina mais flexível e um estilo de trabalho diferente. Mas em meio a essas vantagens há uma dúvida recorrente: quanto cobrar por um site?

Essa precificação envolve vários fatores relacionados, desde a complexidade do trabalho até o custo de vida do desenvolvedor. Para ajudar a acabar com essas dúvidas comuns, nosso post de hoje trará o que você precisa saber sobre como e quanto cobrar por um site. Confira!

Estabelecendo critérios ao precificar um site

Na hora de definir quanto cobrar por um site, é importante levar em consideração uma série de fatores. Primeiramente, você precisa entender o seu custo de vida, para assim trabalhar de forma que consiga manter sua sobrevivência de maneira adequada e confortável.

Você precisa contabilizar despesas como energia, aluguel, internet, mercado e tudo necessário para viver e, consequentemente, trabalhar. Essa será sempre a sua base mensal, e os seus trabalhos precisam atingir esse valor no período de tempo estipulado.

Ao precificar um site, também é importante fazer isso levando em conta as características e o tamanho dele. Os principais tipos — como landing pages, hotsites, sites institucionais, portais e e-commerces — têm necessidades diferentes, que impactam o preço cobrado.

Calculando o valor desse serviço

O primeiro ponto na hora de saber o quanto cobrar por um site é colocar seus custos e despesas em primeiro lugar. Suponha que esse valor é de R$ 3 mil por mês. Sendo assim, você precisa precificar seu serviço de modo que durante esse período de 30 dias alcance esse valor.

No modelo de cobrança por hora (que deve ser utilizado no desenvolvimento de um site) é preciso considerar o custo da sua hora de trabalho, levando em conta o tempo que você dedica à atividade por dia e quantos dias no mês você está ativo.

Considerando ainda o suposto custo de R$ 3 mil, se você trabalha oito horas por dia, durante 22 dias no mês, o valor mínimo que você precisa cobrar por hora de trabalho é R$ 17,05. Entretanto, esse valor varia, pois sofre a interferência de outros fatores, como:

  • valor médio da hora de trabalho na região;
  • complexidade do projeto;
  • demanda de projetos no mês (se você tem poucos, a tendência é aumentar o preço para arcar com seus custos e despesas);
  • nível de sua qualificação profissional;
  • seu portfólio.

Dias necessários para o projeto

Na hora de pegar o projeto de um site, considere o total de dias necessários para que ele fique pronto. Assim você também vai saber quantas horas por dia vai precisar para se dedicar a ele, fazendo então a cobrança adequada.

Definindo seus ganhos de acordo com sua capacitação

Em qualquer tipo de negócio, os preços variam de acordo com a qualificação do que é comprado ou contratado. Você não gasta a mesma quantia nos mesmos produtos, pois, há além da qualidade, o valor agregado que considera tempo de mercado, relevância da marca e outras questões.

Ao definir quanto cobrar por um site, você fará o mesmo. Certamente, para desempenhar sua profissão, você precisou investir em cursos e qualificações, que devem ser quesitos de valorização da sua hora de trabalho. Quanto mais capacidade você tiver, mais valor agregado seu trabalho tem, assim cabe cobrar mais.

Sendo assim, se você tem qualificações amplas, expertise de mercado e um portfólio sólido, com projetos bem executados e de sucesso, seus ganhos podem ser planejados com valores maiores.

Decidindo quantos dias no mês deseja trabalhar

A definição de dias do mês para trabalhar é parte muito importante da precificação, já que isso influencia diretamente no quanto você vai conseguir ao final do período.

Talvez, quando se trata de sites complexos, você trabalhe em partes específicas do projeto. Nesse caso, é importante definir quantos projetos simultâneos você consegue pegar.

O valor da hora de trabalho também pode influenciar a quantidade de dias que um programador trabalha. Se ele é mais qualificado e exerce a função em regiões em que o valor médio da hora é maior, naturalmente precisará trabalhar menos, para chegar ao seu objetivo financeiro.

O importante é trabalhar sempre com o valor que você busca para manter seu custo de vida. Assim, você saberá exatamente o mínimo que precisa.

Estabelecendo o tempo de dedicação por dia

Assim como os dias trabalhados, as horas também dependem do seu objetivo financeiro mensal. Além disso, também é importante considerar o tempo de entrega do projeto. Trabalhar menos horas do que deveria pode fazer com que a entrega do site atrase.

Considere sempre os projetos nos quais você está envolvido e o prazo de entrega deles. Isso ajuda a entender o quanto você precisa se dedicar durante o dia, para que todos sejam entregues em tempo hábil.

Você pode se basear na CLT, que define 8 horas diárias de trabalho, mas também pode esticar um pouco mais, trabalhando de 10 a 12 horas, o que diminui a quantidade de dias trabalhados. O valor da sua hora/trabalho também é um fator a ser considerado para prever maiores ganhos, assim como o seu nível de produtividade.

Terceirizando alguns serviços

Desenvolver um site nem sempre é uma tarefa para uma pessoa só. Em agências, há sempre uma equipe envolvida, que é o mais correto a ser feito. Para um desenvolvedor ou programador freelancer, pode não ser viável cuidar de cada parte da criação de um site. Nesse caso, a terceirização de parte do serviço deve ser considerada.

Você pode cobrar diretamente ao cliente o valor total de um site, mas faça isso já pensando em quais etapas do trabalho será preciso terceirizar.

Assim, você pode entregar um projeto completo, com eficiência, sem ficar sobrecarregado ou se envolver em funções que não domina completamente — o que pode afetar a qualidade do seu trabalho final.

É fundamental ter parceiros frequentes para essa terceirização. Dessa forma, você conta sempre com as mesmas pessoas, especialmente se forem de confiança. Como vantagem, você pode ter preços melhores e ganhar pelo número de demandas, já que sempre vai direcionar trabalhos para esses parceiros.

Baseando valores em médias de preço

Todo site precisa ser cobrado a partir de um valor mínimo ou médio. Mesmo que você não seja o desenvolvedor mais qualificado do mercado e não tenha um portfólio tão vasto, cobrar muito abaixo prejudica você e o mercado.

Veja a média das agências da sua cidade, isso ajuda muito a definir a sua base mínima de trabalho. Se elas costumam cobrar, por exemplo, R$ 1.000 em um site simples, esse é o seu parâmetro principal. Agregar valor e definir valores maiores depende da sua competência, da complexidade do projeto e das exigências do cliente.

Saber quanto cobrar por um site é muito importante para um desenvolvedor! Essas dicas serão fundamentais na sua carreira, ajudando a manter um rendimento médio e preços de acordo com o mercado e suas qualificações.

Quer ter acesso a mais posts interessantes como este? Assine nossa newsletter e receba tudo no seu e-mail!

Este é um post escrito por nosso parceiro Dhiego Bicudo, Diretor de vendas e Marketing na Agêngia ICOMP.