Descubra os desafios do DevOps e saiba como superá-los!

Você já pensou em especializar sua carreira e se tornar um profissional de DevOps? O conceito que se popularizou muito nos últimos anos é um caminho para quem busca saber mais sobre essa habilidade com muita demanda e oportunidades.

Se você se interessa por esse caminho, este post pode ser o seu ponto de partida! Veja como trabalha um profissional nessa área, a importância da automação na sua rotina e os principais desafios do DevOp que você precisa encarar desde o começo. Confira:

Quando Desenvolvimento e Operações se separaram?

Na verdade as áreas de desenvolvimento e operações nem sempre foram separadas da forma como conhecemos ou conhecíamos a pouco tempo, isso surgiu com o advento da Governança de TI e com a ideia de “profissionalização” da área, reduzindo o risco em relação às mudanças e trazendo mais controle sobre tudo o que ocorre, através do Gerenciamento de Serviços de TI e bibliotecas como o ITIL. Na prática a iniciativa foi muito bem sucedida, principalmente nas grandes corporações e foi assim que ocorreu o divórcio entre desenvolvimento e operações no passado.

O problema é que em um mercado dinâmico como temos hoje, com startups capazes de lançar novos produtos e funcionalidades em pouquíssimo tempo e com a própria mudança constante e rápida de comportamento dos consumidores, não é mais possível seguir os processos burocráticos e onerosos que o Gerenciamento de TI tradicional prega, fazendo com que algumas empresas só consigam lançar novos produtos e funcionalidades em releases trimestrais, semestrais ou até anuais como ocorria e ainda ocorre em algumas empresas, tudo isso em troca de controle e segurança.

De que adianta ter controle e segurança sobre o processo de lançamento de um novo produto ou funcionalidade se quando for lançado ele provavelmente nem será mais o que o consumidor quer?

E foi com este novo cenário que surgiu a necessidade de reconciliação entre as áreas de desenvolvimento e operações, fazendo com que estas áreas precisassem trabalhar juntas para conseguir lançar produtos e funcionalidades de maneira mais rápida e sem abrir mão da qualidade e segurança, mas deixando de lado a parte burocrática que poderia ser eliminada.

O que é um profissional de DevOps?

Em primeiro lugar precisamos entender que DevOps não deve ser encarado como um cargo ou função, mas sim uma cultura em que os profissionais estão inseridos.

Algumas empresas até contratam pessoas para este “cargo” principalmente com o objetivo de automatizar processos e disseminar esta cultura de DevOps, mas tem cada vez mais valor o profissional que trabalha nas áreas de desenvolvimento e/ou operações e conhece processos e ferramentas de DevOps, além de ser capaz de estar totalmente inserido nessa cultura.

A união de desenvolvimento e operação em processos integrados e automatizados em um mesmo fluxo de processo começou a ser mais desejada com a necessidade de velocidade no lançamento de produtos e funcionalidades, mas também já era o desejo de muitas empresas por conta dos conflitos sempre existentes entre desenvolvedores e administradores de sistema.

Porém, desde 2007, quando o termo surgiu da forma como conhecemos hoje, houve um esforço coletivo de profissionais do setor para sedimentar e aprimorar esse tipo de gestão e execução integrados.

O profissional de hoje precisa reunir conhecimentos técnicos e de gestão tecnológica em sua rotina de forma integrada, como um só processo. É alguém que também trabalha com automação de infraestrutura por meio de código e apresenta um perfil com um mix de desenvolvedor e sysadmin.

Dependendo do cargo e da função desse profissional, ele ainda pode assumir algumas capacidades de gestão de projetos, que envolvem o desenvolvimento de soluções tecnológicas ao mesmo tempo que gerencia a entrega e a demanda para os clientes.

A ideia de um profissional que consegue aliar automação no desenvolvimento para beneficiar a operação fez com que o DevOps fosse tratado, ao mesmo tempo, como um modelo de pensamento, uma metodologia, um framework e finalmente uma cultura.

Em termos práticos, o DevOps (quando levado para a gestão de equipes) acaba englobando as duas áreas na utilização de dados sobre uso, feedbacks e testes em resultados práticos como iterações constantes no código.

Ou seja, o profissional que se especializa também em práticas do DevOp trabalha no desenvolvimento incluindo nesse processo questões de operação, aliando qualidades tanto generalistas quanto especialistas de TI.

Assim, a solução desenvolvida fica sempre mais próxima das demandas do cliente, as novas versões são entregues com mais rapidez e o próprio processo se retroalimenta.

Como a automatização de processos impactam o trabalho de DevOps?

A otimização é uma das palavras mais importantes no dia a dia de quem trabalha com DevOps. A ideia é que as demandas que surgem sejam rapidamente incluídas no planejamento, possam ser transformadas em desenvolvimento e ser entregues em produção para uso do cliente o quanto antes.

Por isso, a automatização na prática de DevOps é fundamental. Existem várias atribuições rotineiras, tanto no desenvolvimento quanto na operação, que podem ser automatizadas por softwares de gestão ou pelo desenvolvimento de código do próprio profissional em seus projetos:

  • processo de deploy contínuo;
  • processo de entrega contínua em vários ambientes;
  • gerenciamento e monitoramento de sistemas ligados à operação;
  • otimização da arquitetura de dados e infraestrutura necessários para cada projeto;
  • organização de metas e roadmaps;
  • coleta de dados de feedback tanto do produto sendo desenvolvido quanto da estrutura que vai sustentá-lo;
  • acompanhamento de métricas de produtividade e resultados;
  • gerenciamento de segurança das aplicações;
  • compilação, empacotamento e versionamento.

Ainda mais quando o profissional decide aplicar o conceito por conta própria, ter uma estrutura que facilite o controle dessas etapas é importante para manter o foco no que realmente interessa: entregar um produto incrível ao cliente no momento certo.

O DevOps não é uma metodologia automatizada — é uma cultura que cria as condições para trabalhar convergindo um desenvolvimento de seu código enquanto supervisiona sua interação com um sistema.

Incluir automação em todas as etapas do seu trabalho, até nas que nem estão diretamente ligadas ao processo de DevOps é a fonte maior de otimização que vai garantir a viabilidade e o sucesso dessa especialização.

Quais os principais desafios do DevOps?

Agora que você entendeu melhor o que é o DevOps e a relevância da tecnologia como suporte da sua produtividade, podemos listar os maiores desafios da área.

Você deve estar se perguntando por que focar neles? Porque é conhecendo os maiores desafios que um desenvolvedor preparado enxerga as maiores oportunidades. Veja, portanto, quais são os primeiros pontos a serem atacados quando você for perseguir isso:

Muito mais do que apostar em ferramentas

Como a automatização tem muito impacto no trabalho de um profissional de DevOps, é comum que quem está começando nessa carreira confunda meios com objetivos.

O DevOps é mais do que ferramentas que dizem ser completas para essa especialização. Fazendo uma analogia simples, ter o melhor editor de texto não faz de ninguém um excelente escritor.

Vencer esse desafio passa primeiramente por estruturar bem o trabalho, como funcionará o fluxo de seus projetos e qual é o peso dado a cada lado dessa gestão — desenvolvimento e operação.

Só a partir daí você deve buscar as soluções tecnológicas que se encaixam melhor no seu estilo de trabalho, no sistema com o qual você está trabalhando e nas metas de desenvolvimento de cada projeto.

Com esse cuidado, fica bem mais fácil entender onde a automação é mais importante para otimizar seu trabalho. É uma definição que foca os seus investimentos, o seu estudo e deixa mais claro que tipo de profissional você precisa ser para crescer.

Padronização de ambientes e no uso de dados

Independente das especificidades dos seus projetos, algumas coisas no DevOps são universais — por exemplo, a necessidade de padronizar seu framework para que desenvolvimento e operação caminhem em sincronia.

Essa é uma habilidade muito requisitada por empresas que estão contratando na área, que deve ser aprimorada desde já. A necessidade, por exemplo, de ajudar a manter e evoluir infraestrutura baseadas em Cloud Computing é uma das demandas mais fortes no mercado.

O DevOps é uma solução perfeita para esse tipo de necessidade, já que a integração entre desenvolvimento e administração do sistema sendo desenvolvido já naturalmente direciona uma equipe de TI para o lado da padronização e otimização de dados e processos.

Implementação das práticas Lean

O conceito de Lean surgiu muito pela manufatura, mas hoje pode ser aplicado a qualquer trabalho que envolva etapas bem definidas de produção e controle de qualidade do produto final.

Você pode até não seguir à risca o que diz a metodologia, mas o importante de conhecê-la é entender a importância da eficiência no trabalho — quanto menos tempo e dinheiro você gasta sem perder qualidade, mais competitivo você se torna no mercado.

O Lean prega que tudo que não gera valor para o cliente final é desperdício e um dos principais objetivos do DevOps é eliminar o desperdício com atividades que podem ser otimizadas ou automatizadas.

Isso é importante tanto para o DevOps autônomo (que pode otimizar seu trabalho e assim conseguir mais clientes) quanto para o trabalho em equipes. É uma forma de aprimorar suas habilidades de gestão e também melhorar sua eficiência escrevendo o código.

Foco em otimização, não na pressa

Porém, buscando eficiência, competitividade e otimização, muitos profissionais caem na armadilha de confundir agilidade com pressa.

Se você conseguir estruturar bem seus projetos e saber onde focar seus esforços de desenvolvimento para beneficiar a operação, naturalmente vai conseguir entregar um código melhor em menos tempo. Não adianta forçar. Velocidade sem planejamento só vai atrapalhar o seu trabalho e manchar o seu nome para empresas e clientes.

Segurança

Talvez o maior desafio para quem trabalha com DevOps é lidar com o valor do próprio código. Como o desenvolvimento caminha junto com a operação, não é raro que profissionais da área negligenciem algumas etapas em projetos mais complexos.

É outro problema relacionado à pressa: quando o que importa é a velocidade de lançamentos e ainda assim atender todas as necessidades do cliente, a segurança pode ficar a desejar. O resultado é uma vulnerabilidade evidente a comprometimento e vazamento de dados.

Por isso o termo que muitas empresas já estão utilizando é DevSecOps, onde todas as áreas trabalham em conjunto e com objetivos em comum.

Novamente, o sucesso está na união de suas habilidades técnicas e de gestão — como investimento em serviços que podem impulsionar sua produtividade com segurança. Afinal, o sucesso do profissional na área não está só em um código bem feito, mas na sua capacidade de integrar o desenvolvimento a uma administração sadia de todo o sistema.

Entendendo esse lado da especialização e treinando suas habilidades tanto do lado técnico como de gestão, é muito simples vencer os desafios do DevOps. É hora de planejar e começar a conquistar novos clientes.

E aí, curtiu o artigo? Então assine a nossa newsletter!