Empreender com tecnologia: 4 lições para abrir seu negócio no ramo

 

Quando o assunto da mesa é empreender em tecnologia, aceleradoras e investidores logo surgem na conversa. No entanto, não é preciso ir muito longe para encontrar histórias de sucesso. O Brasil já é uma terra repleta de negócios inovadores que deram muito certo e não é estranho que muita gente esteja pensando em marcar presença nesse cenário também.

Um levantamento realizado pela Trendsity apontou que 6 em cada 10 jovens brasileiros pretendem abrir um negócio nos próximos anos. E o que não falta é inspiração para essa turma, já que Locaweb, Buscapé, Conta Azul, Rock Content, Hotmart, Easy Taxi, Sympla e Nubank são alguns exemplos de marcas que deram muito certo apostando em soluções inteligentes para empresas e consumidores cada dia mais conectados.

Entretanto, não pense que só porque trabalha no ramo ou entende muito do assunto é que já está pronto para tirar seu CNPJ e sair vendendo seu peixe por aí. Essa é uma decisão muito importante e ter paciência, buscar informações e acreditar em você são pontos importantíssimos para tirar a sua ideia do papel.

Empreender no Brasil está longe de ser uma tarefa fácil, mas, se você está disposto a encarar o desafio, este artigo é para você. Confira!

Por que empreender em tecnologia?

O empreendedorismo está ganhando destaque em todos os tipos de mídia, fomentando eventos, projetos, debates e até algumas polêmicas, diga-se de passagem. Porém, longe de um mero modismo corporativo, é justa a preocupação em buscar novas formas de renda e atuação no mercado diante de um momento econômico e social tão incerto como o de hoje.

O mundo está mudando rápido, e enquanto alguns serviços, produtos e profissões desaparecem, novas demandas surgem todos os dias. E, no que toca um dos temas centrais do nosso blog, o mundo nunca respirou tanta tecnologia (e também nunca foi tão dependente dela).

Os riscos estão por toda parte, mas, se há algo que podemos afirmar é que as inovações vieram para ficar e os próximos anos prometem uma imersão cada vez maior em plataformas e recursos digitais. Sairá na frente quem for capaz de atender com eficiência a essas demandas.

Por onde começar?

Estamos vivendo a era da inovação, não há como negar esse fato. As telas e os gadgets nos cercam por todos os lados, enquanto a informação cresce e se espalha em um ritmo jamais visto. Nessa onda de novidades high tech, empreender em tecnologia pode ser um tiro certeiro para entrar no mercado.

As startups estão invadindo vários segmentos ao promoverem reflexões e mudanças nos antigos moldes empresariais e sociais. Inclusive, se engana quem pensa que essas empresas são limitadas e modestas. Mesmo com orçamentos, muitas vezes, apertados, várias delas estão dando bastante dor de cabeça para antigas corporações de renome.

É claro que você não precisa começar como uma grande organização dependente de equipe, recursos e largos investimentos. É possível começar a empreender em tecnologia exatamente onde você está agora, prestando serviços online ou vendendo produtos pela internet.

Quais as 4 principais lições para abrir um negócio nesse ramo?

1. Nunca pare de aprender e se atualizar

Não pense que aprender significa apenas ter um diploma universitário ou uma especialização. Se você trabalha ou já trabalhou em alguma empresa de tecnologia, provavelmente, deve ter notado que existe um abismo entre o conhecimento da sala de aula e as necessidades atuais do mercado.

Portanto, não se prenda a certificações tradicionais, investigue o cenário atual, procure saber o que profissionais como você estão fazendo, leia livros por conta própria, faça cursos de atualização, converse com outras pessoas da área e não se canse de aprender cada vez mais.

As tecnologias, conceitos e metodologias estão em constante atualização e ficar antenado é o começo para se diferenciar no mercado.

2. Entenda o mercado que quer inserir

Conhecer profundamente a área na qual pretende atuar é fundamental, não só para entender melhor as necessidades dos seus futuros clientes, como para se preparar para eventuais problemas e atualizações (muito frequentes em qualquer setor da tecnologia). É claro que existem empreendimentos arriscados que podem valer a pena e, certamente, não há como prever ou garantir com exata precisão o sucesso ou fracasso de um negócio, mas é possível minimizar esse risco ao estudar o mercado e a demanda que pretende suprir.

Pesquisas com empresas da mesma área, pesquisas com “possíveis clientes” ou com persona criada, são importantíssimas informações para tomada de decisão inicial. Se ainda assim não conseguir muitas informações, pode realizar testes A/B selecionando públicos específicos e entendendo o comportamento dos mesmos em cada caso.

Tente se colocar no lugar do seu futuro cliente e se pergunte “Eu compraria esse serviço/produto? Quais problemas vai solucionar?”. As respostas dessas perguntas podem auxiliar as tomadas de decisão e, até mesmo, modificar o posicionamento do empreendimento no mercado.

3. Estabeleça objetivos claros para a empresa

Imagine embarcar em um navio sem coordenadas e direção. É provável que você acabe em uma ilha deserta ou morra de fome no meio do oceano. Toda empresa precisa de objetivos claros, prioridades definidas e, se possível, um plano B, no caso de imprevistos.

A empolgação de começar um novo negócio e poder alçar voos mais altos na profissão sem depender de superiores ou do chefe pode encorajar você a tomar atitudes precipitadas, que resultam em prejuízo no curto, médio e longo prazo.

E mais cuidado ainda para não se deixar levar pelas “ondas do momento”, principalmente, se está pensando em empreender em tecnologia. Ideias de negócio “milionárias” estampadas em capas de revistas de fomento logo viram febre e o que, a princípio, parecia algo inovador, acaba saturando depressa e dando dor de cabeça para muita gente.

Existem várias metodologias de indicadores de desempenho que facilitam a criação de objetivos e metas claras. Uma das metodologias mais famosas se chama OKR (Objectives and Key Results), utilizada pelo Google desde 1999 quando tinha apenas 40 funcionários.

4. Coloque o cliente em primeiro lugar

Quem pretende empreender em tecnologia deve estar ciente de que está prestes a enfrentar um mercado muito amplo. Sendo assim, para conseguir se destacar, só mesmo ao definir um segmento inicial e procurar entender a fundo o seu público. “O que preciso melhorar no meu produto?”, “Estou conseguindo atender da melhor maneira possível?” e “Por que tem clientes saindo da minha base?” são perguntas frequentes e que o cliente pode te ajudar a responder.

Termos como “Experiência do cliente” “Customer Success” “Controle total da Qualidade” estão em alta no mercado e todos possuem a mesma ideia: clientes no centro das decisões. Tendo isso em vista, não economize esforços para entender e se aproximar deles.

Gostou do artigo, mas ainda está sem ideias? Não se preocupe! Aqui no blog Devlooper e no blog Apreendedorismo temos posts com ótimas sugestões para você construir o seu próprio negócio.