Portfólio de programador: saiba por que criar o seu

Já imaginou se você tivesse apenas uma oportunidade de mostrar o seu trabalho como desenvolvedor? Qual é a ferramenta que você escolheria? Antes de tomar essa decisão, é fundamental ter em mente que os recrutadores desejam mais do que uma lista de projetos em currículo. Por isso, saber como montar um portfólio de programador é imprescindível.

Um bom portfólio pode abrir as portas para uma carreira em que a demanda continuará superando a oferta de profissionais nos próximos anos. Esse documento diz quem você é e o que você faz.

Por isso, é indispensável entender o que vem a ser esse dossiê e, principalmente, como desenvolvê-lo como programador. Se você ficou curioso e quer saber mais, continue acompanhando este texto e confira. Boa leitura!

O que é um portfólio?

O portfólio é reconhecido como um documento ou dossiê com o registro individual de experiências ou de habilitações. E é simplesmente uma lista dos melhores trabalhos desenvolvidos por um profissional ou por uma empresa.

É importante deixar evidente que não é a mesma coisa que um currículo. Além de ir muito além disso, ele se diferencia por abordar exemplos práticos da experiência profissional, e não só mencionar a experiência em si.

O portfólio do programador, no sentido estrito da palavra, não tem nenhum tipo de diferencial em relação a outros. Ele serve para a divulgação das habilidades profissionais, mas, a partir do momento que você o acessa, deve ser capaz de notar o diferencial na qualidade do exemplar que você está vendo.

Normalmente quando alguém entra no portfólio desse profissional, já tem que ser impactado visualmente. Você já está vendendo seu produto a partir do momento em que a pessoa acessa, sem que ela precise olhar outros itens.

Por que ter um portfólio profissional?

O portfólio é a porta de entrada para qualquer empresa. É como você apresenta aquilo que você sabe, o que já fez, como trabalha e o que gosta de fazer. Dependendo, caso tenha contribuído para códigos open source, esse pode ser um bom indicador de motivação.

Principalmente para quem está começando, esse material é mais relevante ainda. No desenvolvimento, têm-se várias áreas: front, back, mobile. Portanto, montar o seu portfólio é até uma maneira de autoconhecimento, de descobrir o que você gosta de fazer e começar a mostrar isso para outras pessoas.

É preciso analisar a qualidade do visual do portfólio, a performance do site que você entregou e de sistemas que fez. Esse tipo de detalhe pode não estar claro para alguém que é mais leigo, mas para quem é mais técnico, chama muito a atenção.

Normalmente é analisado aquilo que está por trás do que está sendo visto. Tempo de carregamento do site, se houve uso de SEO, o carregamento dos scripts etc. Para o desenvolvedor que está entrando no mercado, vale a pena ter um pouco de front, de back e contribuições para a comunidade que ele consegue enumerar, como as feitas para algum código open source.

Esse é o ponto-chave como diferencial: poucas pessoas se dedicam a contribuir com a comunidade, logo, se você já fez algo com relação a esse tipo de código, isso é um diferencial, sendo a melhor forma de você se destacar.

É importante ressaltar que o portfólio deve falar por si só e não precisar de apresentações. Quando você mostra o material para alguém, você não deve ter que apresentar o que é cada coisa. A pessoa, ao olhar, precisa entender o que você quer passar.

Como desenvolver seu portfólio como desenvolvedor?

O ideal do portfólio é que ele seja único, então não há uma receita pronta. Ele deve ser capaz de trazer um pouco da sua personalidade, da forma como você vai dispor os seus projeto e a maneira como eles são apresentados. É importante dar um toque pessoal à exibição, afinal, esse é um meio de conhecer melhor sobre você.

Na questão de performance, é importante ter boas técnicas. Ao fazer o projeto de portfólio, é necessário colocar a sua identidade e não fazer de qualquer jeito. Lembre-se de que a pessoa que acessar esse material vai enxergar da maneira como você apresenta os seus projetos.

Confira algumas dicas valiosas para desenvolver o seu portfólio logo abaixo.

Liste as suas habilidades mais relevantes

Em um bom portfólio, com navegação intuitiva, direta e consistente, as seguintes seções devem ser consideradas:

  • quem sou: faça uma apresentação breve, deixando claro quem você é, incluindo o tipo de trabalho que busca e as certificações importantes. Utilize um tom mais pessoal e não deixe de evidenciar traços de personalidade que separam você do restante;
  • contato: coloque os formulários para que o envio de mensagens seja facilitado. Inclua, ainda, os links para seus perfis em redes sociais e acesso ao download do seu currículo;
  • trabalhos e projetos: você se orgulha de quais projetos? Você domina quais linguagens? Isso é o que precisa aparecer aqui. Não deixe de fornecer o contexto do projeto e os resultados. Lembre-se de que os recrutadores não desejam ler apenas uma descrição do produto final, mas sim como você contribuiu.

Outra prática excelente para um portfólio de programador é permitir que os seus próprios clientes falem por você. Não tenha vergonha de pedir um feedback e muito menos de publicar os depoimentos de quem já conhece o seu trabalho.

Apresente um currículo curto e rico em informações

Aqueles que já têm alguns anos de experiência devem saber selecionar informações. Então, destaque os certificados obtidos e a sua formação, mas inclua apenas os que estão relacionados com os seus objetivos atuais.

Seja você mesmo

Pesquise sites de outros programadores ao construir o seu portfólio. Inspire-se nas referências, porém, busque deixar o produto final com a sua cara.

Faça links para redes sociais profissionais

Jamais subestime a importância de um perfil no LinkedIn. Os recrutadores geralmente conferem se as informações estão coerentes e analisam as indicações e o networking. Então, fique atento a esses detalhes. 

Quais os benefícios de criar um portfólio?

Um bom portfólio vai trazer inúmeros benefícios para o programador. Estamos falando de um documento que é literalmente uma vantagem competitiva que vai fazer toda a diferença entre conseguir um bom emprego ou não.

Se você deseja mostrar as suas habilidades aos seus clientes ou recrutadores, aprimorar a sua marca ou ser mais visível na web, garantir um site que apresenta todo o seu trabalho vai ajudar a tornar esses objetivos reais.

Lembre-se de que utilizar as suas redes de contatos profissionais e caprichar no conteúdo vai fazer toda a diferença — seja honesto ao expor os seus serviços.

Onde divulgar o portfólio para captar novos clientes?

Normalmente, o portfólio é disponibilizado online e divulgado quando há a possibilidade de se tentar uma vaga. Lembrando que um bom lugar para isso é no site Profissionais de Internet.

Na maioria das vezes, quando o programador não está se candidatando a uma vaga, as pessoas acabam o encontrando devido ao que ele faz. Sendo assim, se escreveu um artigo ou algo do tipo, o interessado vai procurar um pouco mais sobre você e encontrar o seu portfólio.

É válido ter no portfólio sempre projetos reais e funcionando. Vamos supor que você montou um site para uma empresa local, mas quando alguém vai analisar o material, essa página não está mais no ar e a companhia fechou.

Por isso é que é fundamental ter um portfólio que esteja funcionando e atualizado. É preciso monitorar tudo aquilo que é inserido nesse documento, não adianta apenas inserir e não acompanhar.

Enfim, o objetivo maior do seu portfólio de programador deve ser o de criar uma presença online única. Dessa forma, ao mesmo tempo em que demonstra a amplitude e a profundidade de suas habilidades, a apresentação precisa dar a potenciais clientes e empregadores uma prévia de como seria trabalhar com você. E não se esqueça de que o seu dossiê deve acompanhar essa evolução, portanto, mantenha-o sempre atualizado.

Você gostou deste texto sobre o portfólio de programador? Então, aproveite a visita em nosso blog para assinar a nossa newsletter. Fazendo isso, você receberá as nossas atualizações em sua caixa de entrada.