Rotinas de backup: como criar um cronograma para você e seus clientes?

Rotinas de backup: já ouviu falar sobre essa atividade? Sabe o quanto ela é importante em uma empresa? Hoje em dia, infelizmente, ela não é levada tão a sério, sendo feita muitas vezes de maneira displicente e sem muito controle.

Porém, esse é um grande erro que pode levar um negócio a passar por situações bastante complicadas, desde a interrupção dos serviços até a falência. Portanto, é importante criar um cronograma, afinal, é sempre melhor ter e não precisar, do que precisar e não ter, concorda?

Então, para que você possa compreender melhor a importância dessa prática na sua organização, falaremos sobre o que vem a ser uma rotina de backup, sua importância e as melhores práticas para aplicá-la. Continue acompanhando e confira! Boa leitura!

O que é uma rotina de backup?

A ideia da rotina de backup é fazer uma cópia de segurança dos arquivos com o objetivo de evitar perdas. Dessa forma, mesmo que o equipamento apresente problemas, é possível ter uma versão atualizada dos dados e, por isso, todas as informações são protegidas.

O backup basicamente é um salvaguarda. É aquilo que você nunca precisa — e o ideal é que nunca seja necessário —, mas, assim que precisar, ele tem que estar lá. Como é algo que não é usado frequentemente, muitos desenvolvedores acabam se esquecendo e não dando a atenção merecida.

Existem inúmeras maneiras de fazer backup. Há os backups para grandes dados e os backups para o usuário final, como um Google Drive ou um Dropbox, por exemplo. Quando você tem um dado no computador e sincroniza-o com alguma ferramenta na nuvem, trata-se de um backup. Logo, se acontecer algum problema, os dados estarão salvos nesse local.

Outro modelo de backup é o histórico, sendo útil para quando você estiver trabalhando em um projeto e desejar “voltar no tempo”. Lembrando que, quando se fala de banco de dados de clientes, o ideal nunca é ter apenas o atual, mas um histórico. Se houver um problema com a aplicação, então, você tem um histórico.

O mais indicado é que, quando você estiver lidando com banco de dados, ou seja, com aquilo que muda conforme o passar do tempo, você tenha uma periodicidade de backup. Normalmente, o diário é o ideal.

Qual a importância de criar uma rotina de backup?

Atualmente, muitos gestores acabam não percebendo a relevância estratégica de ter uma rotina de backup. Isso acontece principalmente pelo motivo de que muitos jamais precisaram usar as suas cópias de segurança.

Pense na seguinte situação: em uma determinada corporação, um processo sensível acabou corrompendo um dado fundamental para a operação. Nesse momento, o analista se lembra de que tem um backup, bastando fazer o restore.

Mas, ao buscar pela cópia de segurança, acaba percebendo que está corrompida. Em casos assim, vai ser preciso empregar muito esforço para recuperar uma informação que poderia ser simplesmente acessada pelo backup.

E o pior, pode ser que o dado nem possa ser resgatado, gerando um problema maior para o negócio. Percebe a importância de criar uma rotina de backup para evitar que esses problemas ocorram?

O que levar em consideração para criar um cronograma de backups?

Quando se trata de dados de outras pessoas, ou seja, quando se tem clientes, o ideal é entender com que tipo de dado se está lidando para, então, pensar em uma rotina de backup. É a base inteira do cliente? É apenas a aplicação? Quanto tempo seria importante “voltar” para recuperar essas informações?

Para definir a criação de um cronograma de backups em sua empresa, é necessário, antes de qualquer coisa, fazer um levantamento a fim de analisar quais serão as diretrizes usadas no processo. Entre as principais informações que devem ser levadas em consideração, estão:

Quantidade de dados

Todas as interações diárias de um negócio geram dados. É fundamental saber a quantidade de informações que fará parte da cópia de segurança.

Sensibilidade dos dados

Informações sensíveis tendem a exigir um maior número de backups, uma vez que elas podem mudar rapidamente e várias vezes ao dia. Logo, sua periodicidade deve ser maior.

Forma de realização da transferência

A nuvem tem sido o destino preferido das empresas no momento de salvar as suas cópias de segurança. Lembre-se de que saber quanto o servidor pode aguentar é um dos fatores principais que devem ser observados na hora de realizar uma transferência.

Quais os benefícios de ter uma rotina de backups?

Por meio da rotina de backups, é possível cuidar dos dados da empresa que têm muita relevância patrimonial. Além disso, veja quatro motivos que justificam a adoção dessa prática:

Facilitação à operacionalidade empresarial

A falta de informações, em casos mais extremos, pode ser capaz de ocasionar a falência do negócio. Com o backup, receios como esses são reduzidos, pois há uma proteção maior.

Proteção contra a perda de dados

O benefício é poder restaurar os dados apagados e evitar alterações que não foram autorizadas. Mais que isso, é possível manter a sua organização protegida de problemas ocasionados por falhas no transporte de computadores, nos equipamentos e no funcionamento do disco rígido, por exemplo.

Ausência de consequências negativas devido a erros humanos

Por uma simples distração, um arquivo muito importante pode ser alterado ou apagado, tornando-se irrecuperável. O backup prepara o seu negócio para essas situações, garantindo mais confiabilidade para todo o processo.

Defesa contra ataques virtuais

Normalmente, as corporações são atacadas por hackers de modo totalmente virtual. Embora os antivírus façam a sua parte em casos assim, o backup também é imprescindível.

Quais as melhores práticas para uma boa rotina de backup?

A rotina de backup exige alguns cuidados para que seja realmente positiva. As ações mais recomendadas, nesse cenário, são as seguintes:

Escolha o local de backup

A primeira coisa a se planejar no momento de fazer os backups é em qual local os dados serão salvos. São inúmeras as possibilidades disponíveis no mercado, como opções em fita, discos rígidos externos e backup em nuvem, lembrando que a melhor prática é não se ater a um só tipo, mas escolher mais de um.

Defina a periodicidade com base no volume de dados

A realização da cópia de segurança pode ser feita diariamente, semanalmente ou mensalmente. Não existe um período adequado para fazer tal processo.

Porém, é fundamental verificar que o backup apresenta duas finalidades: permitir o acesso a um arquivo danificado ou inacessível e checar uma informação ausente na versão atual.

Cuide das configurações

O backup deve ser automatizado para que se evite a perda de dinheiro e de tempo. Configurações rotineiras acabam simplificando o procedimento a ser feito, além de assegurarem que a equipe foque nas atividades estratégicas.

Teste os backups

E, claro, por último e não menos importante, uma ótima prática é testar os backups realizados. Afinal, eles são feitos para que sejam usados em caso de perda. Lembre-se de que um backup que não funciona não é um backup.

Para tanto, é indispensável testar manualmente os backups que foram realizados para que corrompimentos que foram causados durante a realização do backup sejam detectados. Garantir que os backups funcionem deve fazer parte de uma rotina bem planejada de prevenção.

Enfim, após conhecer as melhores práticas de backup, você vai assegurar que a sua empresa tenha um ponto seguro no mundo dos negócios. Afinal, ter controle na hora de uma catástrofe ou de uma pane evita prejuízos e garante concorrência e estabilidade no mercado.

Você gostou deste texto sobre rotinas de backup? Então, aproveite a visita para assinar a nossa newsletter, pois, assim, você vai receber as nossas atualizações na sua caixa de entrada!