Saiba como fazer deploy sem afetar a disponibilidade das soluções

O procedimento de deploy é fundamental antes de subir uma página na web, garantindo que tudo funcione adequadamente.

Entretanto, ainda há muitas dúvidas sobre como realizar esse processo sem que haja consequências às aplicações já existentes. Este post vai ajudar você a realizar essa demanda da melhor forma, com toda eficiência necessária. Entenda melhor o deploy e saiba como executá-lo!

O que é e para que serve o deploy?

Desenvolvimento e implantação de sites e aplicações fazem parte da rotina de um programador web.  O deploy é uma demanda imprescindível nesse processo, e consiste em toda a preparação do seu novo trabalho, permitindo que ele fique disponível sem erros e em pleno funcionamento.

De uma forma simples e objetiva, o deploy é a instalação e a configuração de nova aplicação, funcionalidade ou melhoria. Todas as informações são copiadas para esse ambiente e organizadas da maneira certa. Isso garante que esse novo projeto funcione adequadamente, sem nenhum erro.

O deploy só acontece quando os projetos já estão prontos, ou seja, todas as funcionalidades e a estrutura já estão concluídas. Ele só publica esses comandos no servidor, para que então o uso seja possível.

Quais as etapas de um deploy e como executá-las?

No deploy diversas informações são configuradas, e a precisão é indispensável para o funcionamento adequado das aplicações.

São 4 etapas básicas nesse processo: infraestrutura, domínio, ambiente e otimização. Elas são imprescindíveis para subir uma aplicação, e a seguir você entende em detalhes no que consistem e como devem ser executadas.

Infraestrutura

A infraestrutura, também conhecida como hospedagem, é onde a sua aplicação ficará na web. O servidor responsável por receber o seu projeto é de extrema importância para o bom funcionamento dele, então essa etapa deve ser pensada e executada com muita atenção.

É fundamental buscar uma infraestrutura eficiente e que suporte o tamanho e as necessidades da sua aplicação. Só assim ela estará sempre disponível, desempenhando com eficiência e oferecendo uma experiência qualificada ao usuário.

Domínio

Esse é o segundo passo e consiste na definição do endereço da sua aplicação na web. É fundamental que esse domínio seja de fácil reconhecimento, permitindo uma associação imediata à aplicação em questão, especialmente se for um site institucional ou um e-commerce.

É necessário realizar a compra e o registro do domínio, posteriormente sendo configurado para que esse endereço seja associado ao local onde ele está hospedado. A execução correta dessa etapa permite que sua aplicação seja encontrada na web sem nenhuma dificuldade.

A configuração DNS é uma parte importante dessa etapa, pois é ela que vai conectar o domínio com o servidor de infraestrutura. Assim, a comunicação é precisa quando houver um comando de acesso por parte de um usuário da web.

Ambiente

Etapa mais demorada e complexa, ela consiste na configuração do servidor que vai receber a infraestrutura. Esse momento do trabalho tem como fundamento a correta disponibilização do site ou da aplicação, para que o acesso seja facilitado e executado corretamente quando solicitado.

Ela é o momento final da operação com o servidor, com a realização de todos os ajustes e sua instalação no ambiente web. Ele só vai ao ar depois que suas definições estão devidamente configuradas, o deixando pronto para receber a infraestrutura do projeto.

Só após esse processo o servidor estará pronto para receber os acessos, direcionando para o endereço na web.

Otimização

A otimização é a última etapa do deploy, mas acontece só depois que o projeto já está em pleno funcionamento. Como o próprio nome sugere, seu foco é fazer melhorias na aplicação ou no site, sempre diante das falhas ou dos gargalos que têm apresentado durante o uso.

A referência para as otimizações é justamente o acesso ao projeto. Com o maior volume de usuários entrando, dificuldades vão aparecer — e até mesmo alguns erros. O desenvolvedor precisa se manter atento ao que deve ser melhorado e, então, partir para a implementação.

Essa é a etapa mais complexa, até porque ela é contínua. Além disso, nem sempre é fácil identificar os pontos que demandam otimização, muitas melhorias costumam estar ligadas às configurações básicas do servidor, por exemplo, o que torna o trabalho mais complexo.

O que fazer para o deploy não afetar a disponibilidade das aplicações?

O deploy também é um procedimento utilizado na hora de subir novas aplicações e mudanças em projetos já em funcionamento, ou seja, que já estão no ar e sendo acessados. É possível fazer isso, mas todo cuidado é pouco para que os serviços não sejam afetados.

Qualquer problema significaria uma aplicação fora do ar, causando grande transtorno aos usuários. As atualizações precisam ser feitas frequentemente, então é importante ter um procedimento que não afete o funcionamento dos sistemas já em execução. É recomendável utilizar uma infraestrutura com mais de um servidor. Desta forma o desenvolvedor obtém redundância e alta disponibilidade para realizar uma publicação faseada evitando que o site/publicação fique fora do ar.

O deploy é um procedimento rotineiro na carreira do desenvolvedor. É sempre importante buscar ferramentas que facilitem o trabalho, sem que as mudanças no servidor interfiram nas aplicações já disponíveis.

Como você tem conduzido seus deploys? Conte para a gente nos comentários e fale sobre os resultados que obteve!